segunda-feira, 4 de maio de 2015

Despedida

Me amam e desamam,
as tristezas do mundo,
hora me envolvem,
hora me esquecem,
hora me devoram,
hora me enriquecem...
Me desejam e vão embora,
os amores desse mundo.
Tantos os que me detém em manto negro e perturbador...
Outros que me mantém em devaneios de passados sombrios,
cheios de horror.
Nenhum me vê em vitória. Nenhum me canta glória. Nenhum me cativa.
Dos amores, sobram as tristezas e dela a fadiga.
Assim vão-se os dias na peleja da vida.
Assim, vou morrendo e renascendo em cada despedida.

Nenhum comentário: